Caril e Outras Receitas Amorosas

Contos gastronómicos

Autor e editor: Fausto Marsol ©, 2012

Capa: Inês Borda d´ Água

Paginação: Ana Borda d’ Água

Revisão: Cristina Silveira de Carvalho

1ª Edição Setembro 2013// Reedição Maio 2015

Preço de capa 15 €, portes para Portugal incluídos

Disponível apenas por encomenda directa, através deste site.

Nota do autor

Se a ligação entre literatura e gastronomia é velha, ao ir mais longe misturando escrita e culinária

– ou ligando num todo ficção e cozinhados -,

ensaiei criar uma categoria literária a que chamei - pomposamente - “contos gastronómicos”.

À volta de algumas receitas originais minhas ou por mim adaptadas, surgiram contos que as enquadram,

fazendo, deste modo, cada receita parte integrante da história

– ou por estar mesmo na origem do desenvolvimento amoroso (dele ou dela)

ou por a sua confecção se ter constituído num acto de amor

ou, ainda, por ter sido a iguaria que primeiro um casal saboreou em conjunto.

Caril e Outras Receitas Amorosas é, portanto, um livro de contos de amor com receitas culinárias dentro,

sendo que cada receita tem uma função na narrativa e aparece devidamente integrada.

Se o pano de fundo é o amor, a tipologia dos contos varia, como variam as situações amorosas descritas.


O autor (com vários livros publicados, cada um do seu género) não tem uma ideia da literatura como algo hermético e distante;

bem pelo contrário, sendo seu propósito aproximar o mais possível a arte

– literária e gastronómica, neste caso – do consumidor / leitor,

o que o levou, por exemplo, a estar presente no Mercado de Vinhos do Campo Pequeno,

como ainda a promover o seu livro através de eventos gastronómicos, com receitas da obra.

Foi assim no jantar-lançamento, no restaurante Tendinha, e no almoço-apresentação à comunidade espanhola, na Cantina da Estrela.


Organizado como se de uma ementa se tratasse, o livro contém 8 contos-receita:

2 entradas, 2 pratos de peixe, 2 de carne e 2 sobremesas

– sendo que cada leitor pode começar por onde muito bem lhe apetecer:

pela sobremesa ou pelo peixe, por exemplo, deixando as entradas para o fim.

Todas as receitas foram devidamente testadas,

mas isso não permite extrapolar que as situações que as enquadram foram também vividas pelo autor.

Trata-se de ficção pura, não estando assim garantido o sucesso amoroso de quem ensaiar as receitas

– para isso são necessários muitos mais ingredientes do que os apresentados em cada conto.

Comentários

Paulo Moreiras,

escritor e reputado gastrónomo

A cozinha surge nos contos de Fausto Marsol como elemento aglutinador e congregador de amizades, paixões e amores, onde não faltam nestas breves narrativas pequenos instantes do quotidiano das personagens criadas pelo autor, com os seus problemas, desejos e aspirações.

“Antes de mais, queria expressar o meu obrigado a Fausto Marsol, pelo amável convite que me endereçou, para apresentar o seu livro,

Caril e Outras Receitas Amorosas. É para mim um enorme prazer, e uma honra, estar aqui e poder falar um pouco sobre este livro de contos gastronómicos.

Em 1870, Paulo Plantier, um francês que viveu em Portugal e onde acabou por morrer, foi o responsável pela edição do livro O Cozinheiro dos Cozinheiros, manual de cozinha destinado às boas donas de casa, onde, pela primeira vez, foram coligidas receitas inventadas ou executadas por escritores e artistas portugueses, onde figuravam receitas de Bulhão Pato, com a Lebre à Bulhão Pato; de Ramalho Ortigão, que ensinava o Modo de frigir batatas; de Fialho de Almeida e o Arroz de perdizes do Fialho; de Júlio César Machado, com uma Caldeirada; ou de Rafael Bordalo Pinheiro com uma receita de Eirós do mar à patriota, por exemplo.Sobre esta temática recomendo vivamente a leitura do livro Escritores à Mesa, de José Quitério, onde poderão encontrar mais detalhes sobre esta ligação entre Literatura e Gastronomia na obra de alguns escritores portugueses e assim aprofundar esta sápida questão.


Com Caril e Outras Receitas Amorosas, Fausto Marsol insere-se nesta corrente, onde literatura e gastronomia se combinam, através de contos construídos, tal como escreve o autor, 'de tudo o que são feitas as vidas vividas’. O amor, nas suas variadas manifestações, é o ingrediente principal, transversal a todos os contos, bem como a culinária, naturalmente, seja através do acto de confeccionar um determinado prato, seja na degustação de uma especialidade gastronómica, sempre com o objecto amado por perto e em perfeita comunhão.


A cozinha surge nos contos de Fausto Marsol como elemento aglutinador e congregador de amizades, paixões e amores, onde não faltam nestas breves narrativas pequenos instantes do quotidiano das personagens criadas pelo autor, com os seus problemas, desejos e aspirações. Fausto Marsol, enquanto contista, revela

uma grande atenção aos pormenores dos relacionamentos interpessoais, aos gestos e aos comportamentos, bem delineados na caracterização das personagens.


Em Caril e Outras Receitas Amorosas temos um autor que ‘Gosta de se entreter na cozinha, de apurar receitas, de ir ensaiando até achar que está no ponto’, tecendo, entretanto, outras linhas literárias para nos abrir o apetite à Literatura e à Gastronomia.Como qualquer bom cozinheiro, as receitas fazem parte do seu património, no entanto, Fausto Marsol não se coibiu de as partilhar, dando-as a conhecer ao público através destes contos gastronómicos e, acima de tudo, deste jantar que tem como prato principal o afamado Caril de Mexilhões. Nós agradecemos, pois assim ganha a Literatura e a Gastronomia.


Mas os contos não se esgotam apenas nas receitas de Fausto Marsol. Por eles perpassam várias referências a vinhos, desde os vinhos do Porto ao vinho Moscatel, a whisky ou a aguardentes. Outros elementos culturais também marcam presença, como alusões à música clássica (Ravel, Dvorak), ao Jazz (Annie Ross,

Mahalia Jackson, Rachelle Ferrel, Sarah Vaughan, Sheila Jordan), ao cinema, ou ao fado.


Como nos diz o autor: ‘A sensação de beleza não é cognitiva, racional, é do domínio do emocional: as palavras podem descrever, podem até comover e induzir alguns sentimentos, mas ficam sempre aquém – muito aquém - da riqueza do que os nossos sentidos espoletam no corpo.’E aí a culinária revela a sua importância, a sua relação com a emoção do ser humano. Fausto Marsol capta essa essência de forma sublime, apresentando-nos variações sobre as relações amorosas, num arco amplo e complexo sobre o amor entre seres humanos, na sua máxima expressão e afectividade.


Num outro plano, num nível mais subtil, o autor não deixa de reflectir sobre Portugal e os portugueses, sobre a sua lusitana forma de ser e de estar, onde, por vezes, o ser e o ter se confundem, zurzindo críticas a certas idiossincrasias da nossa portugalidade, ma qual impera o chico-espertismo, a arte do desenrasca ou a habilidade dos chamados fura-bolos, que tudo conseguem, pisando os outros, sem escrúpulos ou pudores.As questões actuais, por exemplo, a crise económica que o país atravessa, surgem em pano de fundo em alguns do contos, o que não deixa de conferir mais valor ao próprio autor, enquanto escritor atento ao seu tempo e ao seu país. Escrever não é só inventar histórias, é também confrontar o outro e os outros, elevando assim o seu ofício a um outro patamar de consciência crítica.


Para finalizar, uma nota sobre o título, em particular sobre o caril. Em outros tempos, acreditava-se que as especiarias tinham a propriedade de acender as paixões amorosas, pois eram tidas como indutoras do fogo carnal; entre elas destacava-se o caril, condimento e corante culinário de origem indiana, composto por diversas especiarias em pó.Durante muito tempo, considerava-se que aquele que preparava o caril estava mais próximo dos deuses do que os outros mortais, pois o caril era tido como mágico e prodigioso, com fortes poderes culinários, tal a forma como interagia com os homens e o seu espírito.O caril não deixa de ser um condimento

verdadeiramente democrático, um dos mais utilizados no mundo, e elemento primordial na confecção de diversas culinárias, desde a indiana à chinesa, da

tailandesa à vietnamita.Curiosamente, o caril aparece referido no Arte de Cozinha, de Domingos Rodrigues, autor do primeiro manual de cozinha português, publicado em 1680, o que atesta a sua antiguidade entre as nossas mesas.


Entretanto, aproveitemos o generoso convite de Fausto Marsol, e degustemos as receitas amorosas que o autor nos oferece, não para que nos aproximemos mais dos deuses, mas sim dos nossos amigos e, principalmente, da nossa Literatura. Obrigado."

L. R.,

leitora

“Um livro pleno de mil e um aromas, sensações e emoções.”

M. Frederico,

leitora

“Está qualquer coisa de excepcional o enquadramento das receitas com os respectivos contos. Sinceramente gostei. Eu já experimentei as amêijoas com o presunto e ficaram uma autêntica delícia. "

A. Rodrigues,

leitor

“A apreciação é altamente positiva e não conhecia, em contos, literatura idêntica. Está de parabéns. Sem dúvida que nos permite uns momentos de prazer, com os contos e o recheio gastronómico.”

S. Bessa,

leitora

“O livro Caril e outras Receitas Amorosas, de Fausto Marsol, é um livro de contos independentes, onde várias experiências amorosas, com diferentes sentimentos e emoções, são descritas e por detrás dessas experiências existem receitas requintadas e deliciosas, entre as quais o excelente caril de mexilhão. Um livro a não perder.”

A. M. M.,

leitor

“Terminei, neste exacto momento, a leitura iniciada este fim-de-semana. Um pequeno tesouro de sabores e aromas do comportamento humano, quando a paixão e o amor se encontram. De um modo ou de outro, todos ansiamos experimentar os encantos gastronómicos da vida, a magia de bem saber misturar sabores, afiná-los como uma orquestra, cozinhá-los em lume brando ou flamejá-los. Gostei muito desta deliciosa leitura.